terça-feira, 11 de maio de 2010

A luta da minha vida (a briga é boa!)

video


Cara, realmente a grande luta é dentro de nós mesmos... E o problema é que meu ego gosta de uma boa briga, tanto quanto eu... Cansativo...
Mas na Bíblia também vejo alguém com o mesmo desafio que eu...

“Não entendo o que faço. Pois não faço o que desejo, mas o que odeio.
E, se faço o que não desejo, admito que a Lei é boa. Neste caso, não sou mais eu quem o faz, mas o pecado que habita em mim. Sei que nada de bom habita em mim, isto é, em minha carne. Porque tenho o desejo de fazer o que é bom, mas não consigo realizá-lo. Pois o que faço não é o bem que desejo, mas o mal que não quero fazer, esse eu continuo fazendo. Ora, se faço o que não quero, já não sou eu quem o faz, mas o pecado que habita em mim. Assim, encontro esta lei que atua em mim: Quando quero fazer o bem, o mal está junto a mim. No íntimo do meu ser tenho prazer na Lei de Deus; mas vejo outra lei atuando nos membros do meu corpo, guerreando contra a lei da minha mente, tornando-me prisioneiro da lei do pecado que atua em meus membros...”
(Carta aos Romanos 7.15-23, NVI)

Esse é um desabafo do apóstolo Paulo. Ao invés de pensar nos caras da Bíblia como perfeitos (o que nenhum ser humano é), veja como ele se coloca como falho e confuso. Sabe o que ele está dizendo? Que há coisas que ele sabe que são erradas, mas de alguma forma ele acaba fazendo. E o que é certo, por mais que ele saiba o quanto é o correto, acaba deixando de lado.
Por que isso acontece?
Nosso corpo tem desejo próprio. Ele busca fazer coisas que nem sempre concordamos e que muitas vezes nos fazem mal. Exemplos?
•ficar com aquele(a) namorado(a) que você já notou que não vale o que respira;
•lembra quantas vezes você falou que não ia mais beber daquele jeito?
•as palavras que saem de sua boca, no momento em que você está com muuuita raiva (e fazem com que você se arrependa pro resto da vida)

Esses são algumas amostras de como fazemos coisas sem pensar, sem levar em conta tudo o que já resolvemos em nossa mente. E sofremos com isso.
Mas o que nos mostra que estamos errando? Se eu estou fazendo, não devia entrar em choque com meu discernimento.
Explico: nascemos com o “gene” que nos dá vontade de fazer o que é contrário à vontade de Deus. Essas ações são chamadas de pecado. Não é apenas matar, roubar. É pensar em acabar com a vida do outro. É xingar a mãe, bater no irmão, passar a perna pra ter uma vantagem. Mas nascemos também com a noção do que é certo ou errado. Isso é chamado de "revelação geral de Deus", ou seja, características de Deus que reproduzimos, como amor, senso de justiça, verdade. Faz parte do pacote de "imagem e semelhança" citado em Gênesis.

Mas esses dois lados, corpo e espírito, sempre vão estar em confronto. E vai ganhar o lado que nós apoiarmos. O problema é que tudo isso tem uma conseqüência...

E é delas que Deus tenta nos proteger quando nos ensinou princípios, através de seu filho Jesus. Por isso Jesus veio à terra como homem, pra mostrar como se faz. Até porque se ele estivesse só plano espiritual nós nem nos identificaríamos com ele. Mas foi pra dar exemplo que Ele veio num corpo humano, de carne e sangue. Corpo que sentia fome, sede, frio, medo, tristeza e sentiu muita, mas muita dor pelo seu amor por nós...

Deus nos cuida de forma tremenda. Mas nem sempre concordamos com o ponto de vista Dele. A visão dele é como o que você, como pai ou mãe, faz ou fará pelo bem de seus filhotes. E, como filhos, já tivemos momentos em que achamos que nossos pais apenas queriam sacanear com a gente, quando nos proibiam de algo que não gostavam ou de andar com determinadas pessoas em que não confiavam. Mas tudo pro nosso bem. Mas, como crianças, não entendíamos...
Veja Deus como o Paizão que Ele é...
Ele está tentando cuidar de você.
Por que não deixar?

=)

Obs: Essa música é do CD The fight of my life, do cantor Kirk Franklin. Todas as músicas desse CD falam de lutas que temos com nossos desejos e vontades. Recomendoooooo!

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Não fique encima do muro...
Gostou? Não gostou?
Apenas não fique indiferente... Deixe um comentário!